CLAUS PORTO

A reprodução de sabonetes do século XIX transformou-se numa moda das elites internacionais e na decoração de interiores, numa inspiração Art Déco.

Foi um advogado americano quem descobriu, nos anos 90, um sabonete Claus /Ach Brito na montra de uma mercearia portuguesa de New Jersey. Entusiasmou-o o embrulho. Meteu-se num avião, contactou a administração, propôs-se ser o distribuidor americano. Quando viu o espólio histórico da Claus & Schweder, fundada no Porto, em 1887, por uns judeus alemães, sugeriu a reprodução de algumas linhas. A empresa chegou a ter gráfica e litografia para pintar rótulos à mão. As convulsões da I Guerra Mundial obrigaram os donos a desaparecer para parte incerta. Mas o ex-contabilista Achiles de Brito, bisavô dos actuais administradores - Aquiles e Sónia Brito - anteciparia a fórmula «dois em um» ao comprar a Claus Porto, juntando-a à Ach Brito, que entretanto fundara.